Caminhos para acabar com o bullying nas escolas brasileiras.

Leia os textos motivadores.

TEXTO 1

Adaptado de: https://www.osempreemdia.com.br/index.php/goianesia-e-regiao/797-secretaria-municipal-de-educacao-lanca-campanha-bullying-nao-tem-graca

TEXTO 2

Um em cada dez estudantes brasileiros é vítima de bullying – anglicismo que se refere a atos de intimidação e violência física ou psicológica, geralmente em ambiente escolar. O dado foi divulgado esta semana pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2015.

Especialistas, como a professora de psicologia Ciomara Shcneider, psicanalista de crianças e adolescentes, defendem que pais e escola devem estar atentos ao comportamento dos jovens e manter sempre abertos os canais de comunicação com eles. Para ela, o diálogo continua a ser a melhor arma contra esse tipo de violência, que pode causar efeitos devastadores em crianças e adolescentes.

A Lei nº 13.185, em vigor desde 2016, classifica o bullying como intimidação sistemática, quando há violência física ou psicológica em atos de humilhação ou discriminação. A classificação também inclui ataques físicos, insultos, ameaças, comentários e apelidos pejorativos, entre outros.

O bullying se diferencia das brigas comuns – as que chegam às vias de fato ou as que ficam apenas na discussão. Isso é considerado normal por Ciomara e chega, segundo ela, a fazer parte do desenvolvimento. O problema, afirma, é quando se torna algo rotineiro, em que um jovem ou grupo começa a perseguir um ou mais colegas.

O medo de piorar a situação, quando a chantagem costuma fazer parte das agressões, também contribui para o silêncio. “Os casos de bullying começam muito mais silenciosos e, por isso, são mais graves. Quem sofre a agressão não conta nem na escola nem na família, mas começa a mudar o comportamento”, explica. De acordo com ela, queda no rendimento escolar, faltas na escola e mudanças no comportamento são os sinais mais frequentes apresentados por quem sofre esse tipo de violência. Por isso, família e escola devem estar sempre atentos para os sinais que são apresentados pelos jovens.

Adaptado de: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/34487

TEXTO 3

Todos Contra Dante, Luís Dill – Cia das Letras, 2008

Baseado em uma história real e trágica, o livro conta a história de um menino (Dante) de bairro pobre e aparência incomum que gostava de ler “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri. O menino foi alvo de bullying dentro e fora da escola. Na internet, seus desafetos chegaram ao ponto de criar uma comunidade na rede social Orkut (hoje desativada) para falar mal dele. Em termos de estilo, o livro inova ao contar a história em formato de posts de blogs e comunidades do Orkut.

Adaptado de: https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=12515

Com base na leitura dos textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo, em modalidade escrita formal da língua portuguesa, sobre o tema caminhos para acabar com o bullying nas escolas brasileiras, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções:

A versão final do seu texto deve:

1 – conter um título na linha destinada a esse fim;

2 – ter a extensão mínima de 30 linhas, excluído o título – aquém disso, seu texto não será avaliado -, e máxima de 50 linhas. Segmentos emendados, ou rasurados, ou repetidos, ou linhas em branco terão esses espaços descontados do cômputo total de linhas.