De fato, a vida é um droga

TEXTO 1

De fato, a vida é um droga
Estamos, mais do que nunca, carentes de um suporte que vem em formato de pílula.

Pedro Guerra

Estamos, mais do que nunca, carentes de um suporte que vem em formato de pílula.

Sonhei que levantava da cama e tinham construído uma farmácia na minha cozinha. Acordei apavorado, já que depois da cama a geladeira é o meu lugar da casa favorito. Mas o pesadelo não permaneceu tão distante, até porque passei o dia pensando nele. Quem sabe o inconsciente não tenha pintado a cena nos meus sonhos porque os resquícios diurnos de enxergar uma farmácia em cada esquina são totalmente reais.

Emocionalmente falando, estamos todos mancos. A bengala em questão não é uma novidade, porém ela consegue se reinventar a cada dia para que a gente pense que seja: tem medicamento por todo lugar e para todos os lugares. Não preciso nem dizer que não estou comemorando o avanço da ciência ou o acesso aos tratamentos, até porque o meu foco é outro. O meu medo é o que estão fazendo com a gente – ou melhor, o que é que estamos fazendo com nós mesmos.

Em 2020, a indústria farmacêutica faturou quase 140 bilhões de reais, em um crescimento de 15,6%. Os números assustam porque são cada vez maiores, assim como o número de farmácias espalhadas pela cidade – em uma só quadra, você chega a encontrar duas. Estamos, mais do que nunca, carentes de um suporte que vem em formato de pílula. A prova disso é que os destaques do último ano foram os suplementos, vitaminas, relaxantes e, longe de ser uma surpresa, os antidepressivos.

A overdose ganhou força com a pandemia de covid-19, momento em que muitos descobriram que a saúde mental estava esquecida ou que nunca chegou a ser prioridade. E quando falta prevenção, a única maneira é remediar. No último ano, cresceu em 50% o número de atendimentos no SUS por conta do uso excessivo de sedativos. Não receio em dizer que já podemos nos considerar mortos-vivos: sono excelente e alimentação balanceada virou luxo e sinônimo de tempo livre (ou seria uma desculpa daqueles que não se priorizam?).

Não é novidade alguma que a gente morre um pouco a cada dia desde o momento em que se nasce. Mas é cada vez mais nítida a tentativa de nos fazer engolir goela abaixo a necessidade de viver uma vida amparada por medicamentos. Criamos um estilo de vida onde dependemos de remédio para dormir, remédio para ser produtivo, e também remédio para não esquecer de ir até a farmácia comprar mais remédio. Quando ele é comprovado e recomendado cientificamente, então, chega a ser motivo para comemorar. Do contrário, só faz ema correr.
De fato, a vida é uma droga. Ao menos, estamos medicados.

Adaptado de https://gauchazh.clicrbs.com.br/pioneiro/colunistas/pedro-guerra/noticia/2021/03/de-fato-a-vida-e-um-droga-ckm6765zu000j0198vajvvyym.html

Após a leitura do artigo, produza um texto dissertativo apresentando o seu ponto de vista acerca do texto. Para isso, é fundamental que sua opinião seja exposta de modo articulado, em um conjunto de ideias claras e consistentes. Ao desenvolvê-la, você pode se valer das reflexões do autor, de exemplos pessoais, situações presenciadas, fatos, acontecimentos, enfim, de tudo o que possa ajudá-lo a sustentar, de maneira qualificada, o texto.

INSTRUÇÕES

A versão final do seu texto deve:

1 – conter um título na linha destinada a esse fim;

2 – ter a extensão mínima de 30 linhas, excluído o título – aquém disso, seu texto não será avaliado -, e máxima de 50 linhas. Segmentos emendados, ou rasurados, ou repetidos, ou linhas em branco terão esses espaços descontados do cômputo total de linhas.