Livro “Cibercultura”, de Pierre Lévy

Via Amazon.

Resenha da obra “Cibercultura” de Pierre Lévy*

Marcia Pereira Sebastião e Lucila Pesce

O livro Cyberculture foi publicado em 1997, pela Éditions Odile Jacob. Passada mais de uma década, a obra ainda se mostra atual, por trazer reflexões oportunas para se repensar os caminhos da humanidade e, em especial, da aprendizagem, com o advento das tecnologias digitais. Sua atualidade incide no fato de que muitos dos desafios elencados pelo pesquisador ainda se impõem às instituições de ensino, responsáveis pela aprendizagem formal, bem como às demais organizações, como ONGs e empresas, que lidam com a aprendizagem ao longo da vida: elemento crucial à formação contemporânea.
O livro foi selecionado para ser resenhado, por apresentar duas qualidades que lhe atribuem fecundidade ao campo das reflexões sobre o tema deste número da Revista TECCOGS: Aprendizagem em Ambientes Virtuais. De um lado, a obra consubstancia-se como registro histórico da gênese do processo de consolidação do ciberespaço. De outro, permanece atual, na medida em que, como já dito, muitas das proposições nele contidas ainda se apresentam como desafios a serem enfrentados, pelos contemporâneos processos de aprendizagem.
A obra se divide em três partes: Definições, Proposições e Problemas.
Em Definições, Lévy reflete acerca do impacto das tecnologias sobre a construção da inteligência coletiva: termo percebido em meio às suas contradições e, por isso mesmo, denominado pelo autor como “veneno e remédio da cibercultura”. Em sua narrativa analítica, o autor sinaliza que a sociedade encontra-se condicionada, mas não determinada pela técnica. Tal afirmação permite a percepção da relação biunívoca entre sociedade e tecnologia, mediante a qual a primeira se constitui historicamente pela segunda, embora não seja por ela determinada.

Leia o texto completo aqui.