Os padrões de beleza são impostos pela mídia.

Leia os textos motivadores.

TEXTO 1

Ser gordo em um mundo feito e pensado para ser magro é uma punição social, aponta Gabriela Scapini, pesquisadora e integrante do Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Mulher e Gênero (NIEM/UFRGS). A pessoa é punida quando, para encontrar uma roupa que lhe sirva, ela precisa buscar por lojas especializadas em tamanhos grandes, cujos preços nem sempre são acessíveis a todos; quando uma atividade tão trivial como pegar um ônibus se torna um desafio, porque os bancos são muito estreitos e não comportam pessoas com um corpo que foge à normativa do pequeno e magro. Flávia Magalhães Novais, pesquisadora e integrante do Núcleo de Pesquisa em Sexualidade e Relações de Gênero (NUPSEX/UFRGS) aponta que “nós, como mulheres, passamos a vida inteira ouvindo ‘cuidado que tu vais ficar gorda’ – ficar gorda é a pior punição que pode acontecer na vida de uma pessoa. E quando tu és uma pessoa gorda, tu és uma pessoa gorda e ponto. Tu és reduzida a isso”. A pressão estética é tão vil que pune quem foge, até mesmo, do tom de pele branco – em um país composto por mais de 50% de uma população não-branca (de acordo com o censo de 2014 feito pelo IBGE), o ideal de beleza é justamente aquele que é contradiz a grande maioria: pele branca, cabelo loiro e olhos claros.

O corpo é ressignificado ao longo do tempo, da cultura e, inclusive, pelas crenças que predominam na época. Durante a Idade Média, por exemplo, o corpo foi negado por estar associado aos prazeres, dentre eles a gula, que é considerada um dos sete pecados capitais. Por outro lado, o Renascimento valorizava corpos mais cheios, principalmente relacionados à maternidade. Havia, contudo, o recorte de classe: as mulheres que conseguiam ter uma boa alimentação eram as das classes mais abastadas, então ter formas mais arredondadas estava diretamente ligado à riqueza. “Era uma época de escassez e quem era gorda sinalizava pertencer a uma alta casta, ter muito poder e riqueza, e esse era o padrão de beleza. Sempre aquilo que não é a maioria, é o padrão”, afirma a psicóloga e pesquisadora Patricia Romani.

Adaptado de: https://www.ufrgs.br/humanista/2018/05/24/padroes-de-beleza-restritivos-causam-sofrimento-a-mulheres/

TEXTO 2

Adaptado de: ttps://www.carolrossetti.com.br/mulheres

TEXTO 3

Vemos todos os dias surgirem novos produtos de emagrecimento: pílulas, sucos, comidas diet, light e zero, shakes, aparelhos de academia para se exercitar em casa, academias com propostas inovadoras, aplicativos com vídeos de exercícios pra se fazer onde estiver, revistas cheias de dietas que prometem emagrecer em poucos dias, cosméticos, cirurgias plásticas, redução de estômago, entre tantas outras coisas que nos deparamos todos os dias.

“O padrão inatingível de beleza amplamente difundido na tv, na revistas, no cinema, nos desfiles, nos comerciais penetrou no inconsciente coletivo das pessoas e as aprisionou no único lugar em que não é admissível ser prisioneiro: dentro de si mesmas. Tenho bem nítida na mente a imagem de jovens modelos que, apesar de supervalorizadas, odiavam seu corpo e pensavam em desistir da vida. Recordo-me de pessoas brilhantes e de grande qualidade humana que não queriam frequentar lugares públicos, pois se sentiam excluídas e rejeitadas por causa da anatomia do seu corpo” (CURY, 2005, p. 6).

Adaptado de: https://medium.com/singular-plural/os-padr%C3%B5es-de-beleza-impostos-pela-m%C3%ADdia-b42fea3eaef

Com base na leitura dos textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo, em modalidade escrita formal da língua portuguesa, sobre o tema os padrões de beleza são impostos pela mídia?