Os relacionamentos abusivos e seus fatores impulsionadores

FAG 2019/1

TEXTO 1

Os relacionamentos abusivos, infelizmente, fazem parte da nossa realidade. Não importa qual o tipo de relação ou quem a compõe, muito menos o engajamento político dos envolvidos ou se possuem carteira de militância em algum movimento social: no fim, a violência pode encontrar espaço e se instalar em qualquer lugar. Muitas pessoas acreditam que um relacionamento só é abusivo quando ocorre agressão física. Contudo, alguns ataques psicológicos podem gerar consequências tão graves quanto lesões corporais. Em geral, o que alimenta esse tipo de relação é o desejo de posse e controle sobre o parceiro, um comportamento que se inicia de maneira quase imperceptível e piora aos poucos, até que ultrapassa o limite. Situações de extrema violência entre parceiros e ex-parceiros não são difíceis de serem encontradas nos jornais. Em sua maioria, os casos ocorrem em relações heterossexuais, onde o agressor, na maior parte das vezes, é o homem. Eles abusam de suas parceiras porque as veem como coisas que podem ser controladas e manipuladas e acreditam que devem estar no controle do relacionamento. Em geral, esse tipo de abuso é aprendido socialmente, seja em casa vendo o relacionamento dos pais, com os amigos ou com a própria cultura machista que objetifica a mulher. A pesquisa “Violência Contra a Mulher, o Jovem está Ligado?”, feita pelo Instituto Avon e Data Popular em 2014, revelou que 52 milhões de brasileiros admitem ter algum conhecido, parente ou amigo que já foi violento com a parceira, mas apenas 9,4 milhões admitem terem tido essa atitude. O curioso é que quando são listados alguns abusos sem que sejam nomeados dessa forma, a incidência aumenta. Isso mostra que determinados comportamentos ainda não são vistos como violentos pela sociedade.

Fonte: http://www.jornaljr.com.br/2016/09/28/o-relacionamento-que-tortura/

A partir da leitura do texto motivador e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija uma dissertação argumentativa sobre o tema: “Os relacionamentos abusivos e seus fatores impulsionadores”.